Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

População mundial deverá atingir os 11 mil milhões em 2100

Mäyjo, 28.09.14

População mundial deverá atingir os 11 mil milhões em 2100

 

Estudos anteriores sugeriam que a população mundial deveria começar a diminuir a partir da segunda metade do século, mas o novo estudo vem contrariar esta hipótese e afirmar que existe 70% de probabilidade do número de pessoas a habitar o planeta subir dos actuais sete mil milhões para 11 mil milhões no desfecho do século. Tal hipótese representa sérios desafios a nível dos recursos alimentares, hídricos, cuidados médicos e coesão social.

 

“As projecções anteriores indicavam de que o problema iria desvanecer-se e as atenções foram desviadas da questão populacional”, afirma Adrian Raftery, investigador da Universidade de Washington, cita o Guardian. “Existe um forte argumento para a população voltar ao topo da agenda internacional. A população é o catalisador de tudo o resto e um rápido crescimento populacional pode exacerbar todos os tipos de desafios”, indica. A falta de cuidados de saúde, aumento da taxa de criminalidade, da pobreza e da poluição serão apenas alguns dos problemas actuais que serão exponenciados.

 

A região onde a população mais deverá crescer é na África subsariana, onde a população poderá crescer até 5 mil milhões em 2100. A queda nas taxas de fertilidade, que começou nos anos 1980, em muitos destes países deveria continuar, mas os dados mais recentes indicam o contrário. Em países como a Nigéria, o mais populoso do continente africano, a queda nas taxas de fertilidade foi já invertida, com a média das mulheres a terem seis filhos. A população da Nigéria deverá aumentar dos actuais 200 milhões para 900 milhões em 2100.

 

Outro factor incluído pela primeira vez no estudo foram os dados sobre o VIH e SIDA, que indicam que afinal a epidemia não está a matar tantas pessoas quanto se pensava, especialmente nos países africanos. “Há 20 anos o impacto na população era absolutamente gigantesco. Agora, a acessibilidade dos anti-retrovirais é muito maior e a epidemia parece ter ultrapassado o seu pico”, indica Adrian Raftery.

 

Foto: India Photography / Creative Commons